| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Boletim ECOLÓGICO
Desde: 14/07/2004      Publicadas: 120      Atualização: 02/02/2010

Capa |  Boletim ECOLÓGICO Online  |  ECO dados  |  ECO Eventos  |  ECO Links  |  ECO Turismo  |  Editorial  |  Entrevista  |  Fórum Social Mundial  |  Notícias  |  Notícias da Região  |  Pró Fundação Sabor Natureza  |  Reportagens


 Notícias

  13/10/2005
  0 comentário(s)



Katrina e seca na Amazônia: lições sobre o aquecimento global?

Os rios da Amazônia Ocidental (Amazonas, Acre e Rondônia) estão com os níveis mais baixos da história. O El Niño, que resulta do aquecimento das águas do oceano pacífico na altura da costa do Peru, sempre foi apontado como o culpado por estes fenômenos severos. Agora, contudo, o culpado pode ser outro: o aquecimento do oceano atlântico. Estudos sugerem que a seca que assola esta parte da Amazônia é resultado do aquecimento do atlântico próximo à Costa da África e, provavelmente, próximo ao Golfo do México. Este aquecimento até então não registrado, pode ter alterado o padrão de circulação das correntes de ar resultando no deslocamento de massas de ar seco para a Amazônia. O resultado: seca em regiões cobertas por florestas.

<FONT SIZE=3><FONT COLOR=
Katrina e seca na Amazônia: lições sobre o aquecimento global?">
Um outro reflexo dessa mudança de comportamento da circulação global pode ter sito o fornecimento de energia tornando particularmente feroz a estação de furacões que atingiram o Caribe e a Costa Leste dos Estados Unidos, como o que arrasou a cidade de Nova Orleans. Os efeitos imediatos da seca na Amazônia são óbvios: rios baixos, mortandade de peixes, problemas na produção agrícola entre outros. Este cenário, no entanto, poderá ficar pior com o tempo. A morte de grandes cardumes de peixes e populações de peixes-boi e botos aumentam o risco de contaminação da água dos rios, comprometendo o abastecimento de ribeirinhos e pequenos produtores. Estes problemas são graves e geram efeitos negativos e danosos para as populações locais. A seca na Amazônia, contudo, pode ter efeitos de grandes dimensões. A floresta, em si, geralmente é imune ao fogo, este geralmente oriundo de queimadas em áreas agrícolas. A copa das árvores atua mantendo o interior da floresta úmido o suficiente para evitar que o fogo se propague. Mas, esta imunidade tem seu limite. Quando há uma grande seca o fogo florestal torna-se comum e pode ganhar proporções gigantescas. Por exemplo, a grande estiagem provocada pelo El Niño de 1998 reduziu consideravelmente as chuvas na Amazônia tornando as floresta inflamáveis. Naquele ano, 1,3 milhões de hectares de floresta em pé queimaram no estado de Roraima. Outros quatro milhões de ha foram atingidos pelo fogo no sul do estado do Pará e norte do Mato Grosso. A atual seca, portanto, ameaça provocar estragos na floresta que certamente serão sentidos por muitos anos. Parte deste estragos já foram analisados através do maior experimento de simulação dos efeitos de secas severas sobre florestas tropicais já realizado no mundo. Uma parceria entre o Woods Hole Research Center, com sede nos Estados Unidos; o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia e a Embrapa Amazônia Oriental, estas duas ultimas com sede em Belém, simularam uma seca severa em um hectare de floresta, próximo ao município de Santarém, no Oeste do Pará. (para mais detalhes visite www.ipam.org.br/programas/mudancas/seca/ e www.whrc.org/southamerica/drought_sim/index.htm). O resultado mais surpreendente, observado pelos cientistas, é que as árvores maiores são mais vulneráveis aos efeitos da seca do que as menores, podendo morrer com mais facilidade. As secas severas como a que a Amazônia sofre atualmente podem danificam a floresta por décadas, destruindo árvores gigantes que, ao morrer, deixam de cobrir o assoalho da floresta, abrindo "buracos" entre as copas, reduzindo assim a unidade no seu interior. Mais seca, a floresta passa a ficar vulnerável ao fogo. Assim, ciclo vicioso se instala a medida em que a seca favorece a ocorrência do fogo, que por sua vez produz grandes quantidades de fumaça o que atrapalha a formação das nuvens de chuva, terminando por e intensifica ainda mais a o período de estiagem. Estimamos que a quantidade de gás carbônico (um importante gás de efeito estufa) que pode vir a ser liberado a partir queima e morte das árvores, seja o equivalente à quantidade emitida deste gás pelas atividades humanas durante um período de seis meses. Os efeitos a longo prazo do Katrina, podem ser mais facilmente compreendidos do que a história da Amazônia e impressionar pelos valores monetários derivados da destruição. Para avaliar apenas um dos efeitos diretos do furacão, deve-se lembrar que o Katrina atingiu em cheio a indústria do petróleo dos Estados Unidos e serve de alerta para o futuro da atividade naquela parte do país. Isso deve nos fazer perguntar: O Katrina significa o começo do fim da indústria do petróleo no Golfo do México? Se, de fato, a trajetória e a intensidade dos furacões continuar a aumentar, as plataformas de bombeamento de óleo passarão a sofrer danos freqüentes, o que aumentaria ainda mais a dependência dos Estados Unidos no mercado internacional de petróleo. Ainda é cedo para decretar que a seca amazônica e os furacões provocados pelo aquecimento do oceano atlântico são resultado do aquecimento global. Contudo, servem de alerta para o que pode estar por vir, pois tal fenômeno condiz com as previsões futuras de alteração do clima. O mundo está se aquecendo e parece certo que mais surpresas como estas podem se repetir.


Milena del Rio do Valle - Mtb 27668
Assessora de Imprensa
Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia-Ipam
Av. Nazaré 669, Centro.
CEP:66.035-170 Belém
Pará - Brasil
Tel Geral: +55 91 32 83 43 43
Tel Direto: +55 91 3283-4359
Tel/fax: +55 91 3283-4341
cel: +55 91 81216940
http://www.ipam.org.br


Criado em 1995, o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia - IPAM, é uma organização ambiental não governamental sem fins lucrativos. O Ipam reúne pesquisadores e educadores que compartilham o compromisso de gerar informações científicas e formar recursos humanos, contribuindo para um processo de desenvolvimento da Amazônia que atenda as aspirações sociais e econômicas da população, e ao mesmo tempo mantenha a integridade funciona do ecossistema regional.


  Mais notícias da seção Fique sabendo que... no caderno Notícias
17/10/2005 - Fique sabendo que... -
Amazônia está virando sertão
Seca está levando isolamento, fome e doenças de uma ponta a outra da outrora maior bacia hidrográfica do mundo ...
17/10/2005 - Fique sabendo que... - ENQUETE: Profissionais ligados ao meio ambiente se posicionam quanto à proibição do comércio legal de armas
No próximo domingo, 23 de outubro, os brasileiros irão às urnas, desta vez não para escolher aqueles que teoricamente representarão seus interesses nos poderes Executivo e Legislativo. Nesta data ocorre o primeiro referendo do país (leia a diferença entre referendo e plebiscito no final da matéria). Mais de 122 milhões de eleitores vão responder à ...
17/10/2005 - Fique sabendo que... -
Setembro foi o mês mais quente no planeta desde 1880
Setembro foi o mês mais quente já registrado no planeta desde 1880, ano em que as temperaturas começaram a ser coletadas cientificamente, anunciou nesta sexta-feira o Centro Nacional Oceânico e Atmosférico Americano (Noaa)....
17/10/2005 - Fique sabendo que... -
Cientistas identificam relação entre poluição e a incidência de infartos agudos
Mais um problema relacionado com a poluição atmosférica. Cientistas belgas identificaram uma relação entre a poluição e a incidência de infartos agudos do miocárdio. As doenças cardiovasculares, entre as quais o infarto, são uma das principais causas de morte em todo o mundo. ...
13/10/2005 - Fique sabendo que... - Uso de APPs precisa de regras e de política pública
"A discussão sobre o uso das Áreas de Preservação Permanente (APPs) está ligada não só à questão normativa, mas também a uma visão de política pública", disse na última sexta-feira (7) o secretário- executivo do Ministério do Meio Ambiente, Claudio Langone, durante debate público promovido pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), em Recif...
13/10/2005 - Fique sabendo que... - Mundo terá 50 milhões de refugiados ambientais em 2010, diz ONU
A ONU calcula que dentro de cinco anos 50 milhões de pessoas vão ser consideradas refugiadas devido a problemas ambientais nas regiões onde vivem....
03/10/2005 - Fique sabendo que... - Pesquisadores estrangeiros controlam projetos do Brasil na Amazônia
Um dado alarmante: apenas 10% dos cientistas que hoje trabalham na região amazônica são brasileiros. Para se ter uma idéia, nos primeiros meses de 2004, dos 452 projetos de pesquisas em andamento dentro da floresta, 90% estavam sob o controle de cientistas estrangeiros. ...
23/09/2005 - Fique sabendo que... - BRASIL GANHA MAIS UMA RESERVA DA BIOSFERA
A porção mineira da Serra do Espinhaço é a sexta Reserva da Biosfera brasileira admitida pelas Nações Unidas. O reconhecimento aconteceu no fim de junho deste ano, e a certificação acontece durante eventos realizados ontem e hoje em Belo Horizonte, Ouro Preto e Conceição do Mato Dentro. A serra foi reconhecida pelo programa O Homem e a Biosfera, da...
22/09/2005 - Fique sabendo que... - Por que importar pneus usados
Ao citar uma Lei de Murphy segundo a qual "se está ruim, pode ficar pior", as multinacionais fabricantes de pneus no Brasil parecem mais praticar o malfadado ensinamento de Goebbels, o ministro da propaganda de Hitler, de que "uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade". De fato, tanto pela boca do presidente de sua entidade de classe, a Anip,...
21/09/2005 - Fique sabendo que... - BNDES vai financiar parque eólico
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou ontem um empréstimo de R$ 465 milhões para a construção de um parque eólico (que gera energia pela força do vento) em Osório, município do Rio Grande do Sul, que terá capacidade de geração de 150 megawatts (MW). Será o maior do gênero no país e segundo no mundo. Durante a co...
19/09/2005 - Fique sabendo que... - Diário Oficial publica lei que descentraliza gestão de recursos hídricos
(ANA, 14 de junho de 2004) A lei que regulamenta os contratos de gestão da ANA - Agência Nacional de Águas com as entidades que vão exercer a função de "Agências de Água" foi publicada nesta sexta-feira (11), no Diário Oficial da União. ...



Capa |  Boletim ECOLÓGICO Online  |  ECO dados  |  ECO Eventos  |  ECO Links  |  ECO Turismo  |  Editorial  |  Entrevista  |  Fórum Social Mundial  |  Notícias  |  Notícias da Região  |  Pró Fundação Sabor Natureza  |  Reportagens