| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Boletim ECOLÓGICO
Desde: 14/07/2004      Publicadas: 120      Atualização: 02/02/2010

Capa |  Boletim ECOLÓGICO Online  |  ECO dados  |  ECO Eventos  |  ECO Links  |  ECO Turismo  |  Editorial  |  Entrevista  |  Fórum Social Mundial  |  Notícias  |  Notícias da Região  |  Pró Fundação Sabor Natureza  |  Reportagens


 Notícias

  17/10/2005
  0 comentário(s)



Amazônia está virando sertão

Seca está levando isolamento, fome e doenças de uma ponta a outra da outrora maior bacia hidrográfica do mundo


Romerito Aquino, in Página 20


Brasília " A região onde está situada a maior bacia hidrográfica do mundo está seca de uma ponta a outra. De Iquitos, no nordeste peruano, onde nasce, até Santarém, no Pará, próximo à sua foz, o grande rio Amazonas atingiu suas cotas mais baixas das últimas décadas devido à seca que se alastra nos últimos meses ao longo da maior floresta tropical do planeta. A seca do rio Amazonas vem acompanhada da queda do nível das águas de todos os seus afluentes, entre eles o Juruá e o Purus, que banham o território acreano, onde a falta de chuvas ameaçou com fogo recentemente grande parte de sua floresta.


A seca, que já transforma rios e igarapés em desertos, lamaçais e em estradas, está provocando um clima de desolação de uma ponta a outra da bacia amazônica, levando desespero, fome e doença para dezenas de milhares de pescadores e trabalhadores extrativistas que sempre tiveram nos rios e igarapés sua principal fonte de sobrevivência e sua única via de acesso às grandes e médias cidades da região.


No vizinho estado do Amazonas, onde a situação é mais grave, o governador Eduardo Braga simplesmente decretou no início desta semana estado de calamidade pública em todos os municípios do estado, cujas populações penam há vários dias com a falta de água potável, de comida e de remédios. São ao todo 62 municípios sofrendo com a seca implacável e a redução recorde do nível das águas dos rios e igarapés da região. Regiões daquele estado que eram cortadas por rios caudalosos, hoje são cercadas por areia ou poças de lama encobertas por mares de peixes mortos por falta de água.


"Municípios como Caapiranga estão completamente isolados, onde só é possível chegar de helicóptero", disse o governador amazonense, ao apelar para as Forças Armadas levarem a todos os municí-pios amazonenses remédios, cestas básicas e hipoclorito para tornar a água potável. Segundo o governador, o relatório da Defesa Civil apontou quatro municípios em estado de calamidade pública e mais 15 em estado de alerta. "Por isso, decidimos nos adiantar e decretar estado de calamidade pública em todo o Amazonas, que é todo coberto pela malha hidroviária que sofre com a estiagem", sentenciou Braga.


Desmatamento, queimadas e ausência de mata ciliar


A falta de chuvas na bacia amazônica também já prejudica a navegação nos rios da região oeste do Pará, entre eles o Amazonas e o Tapajós, que estão secando neste prolongado verão amazônico. Os pescadores e o meio ambiente também já sofrem graves conseqüências da falta d"água. Em locais mais secos do rio Arapiuns, afluente do Tapajós, milhares de peixes estão morrendo asfixiados por falta de água. A pesca comercial no lago do Maicá, no rio Amazonas, está proibida desde a semana passada pelos pescadores.


Em frente à cidade de Santarém, um navio cargueiro encalhou num banco de areia devido a pouca profundidade do rio Tapajós. O acidente ocorreu num local onde o Tapajós antes desaguava de forma abundante no Amazonas, considerado o maior rio do mundo em volume de água. O desmatamento, as queimadas e a destruição da mata ciliar nas encostas dos rios, além do aquecimento global, são apontados por autoridades paraenses como causas da seca na região.


Diante da prolongada estiagem, a possibilidade de restringir a navegação de navios de grande calado e transatlânticos turísticos pela área começa a ser cogitada. Essa possibilidade deve resultar em graves prejuízos para a economia local, que é sustentada pelo turismo e pela exportação de madeira, soja e pescado.


Os pescadores de Santarém informaram à Agência Estado que nunca tinham visto os rios Tapajós e Amazonas com tão pouca profundidade como agora. "Tenho 57 anos e não me lembro de ter presenciado uma coisa dessas nem quando era criança", comentou o pescador José Wilson de Jesus. Para o pescador, isso está acontecendo porque "o homem anda fazendo coisas muito erradas com a natureza e ela está se vingando".


A prova da seca, Segundo o pesquisador Luís Alfredo Costa de Souza, um mineiro que já morou em Belterra, município vizinho de Santarém, a prova da seca está diante de todos que contemplam o Tapajós do cais da cidade de Santarém, onde o rio já sofreu um recuo de 400 metros do seu nível normal, desde julho. O lugar onde as ondas quebravam hoje virou uma imensa praia de lama.


Antes caudaloso, o rio Tapajós apresentava há dois dias um nível de água igual ao do rio Acre, considerado região de cabeceiras dos afluentes do Amazonas. Um levantamento feito pela Marinha do Brasil indicou que o Tapajós atingiu este mês a uma marca de 2,10 metros, o que significa dois metros mais seco que no mesmo período do ano passado.


Nascente do Amazonas nunca esteve tão baixa


Segundo publicou ainda a Agência Estado, o rio Amazonas atingiu no início deste mês, na região de Iquitos, no nordeste do Peru, seu nível mais baixo dos últimos 36 anos para esta época do ano. O nível do rio está em 106,50 metros sobre o nível do mar, o mais baixo já observado desde que começou a funcionar a estação de registro da Empresa Nacional de Portos (Enapu), em 1969.


Esse nível corresponde a uma corrente fraca de 12.000 m³/s. O recorde anterior havia sido registrado em setembro de 1995, com 106,60 metros sobre o nível do mar, segundo o hidrólogo francês Jean-Loup Guyot, do Instituto de Investigação para o Desenvolvimento e encarregado do projeto Hidrologia da Bacia Amazônica.


A queda recorde dos níveis de água no Amazonas e em seus afluentes fez com que o transporte fluvial, também único meio de comunicação de muitos povoados da selva peruana, passasse a ser demorado e muito difícil. Ena Jaime, climatologista do Serviço Nacional de Meteorologia e Hidrologia (Senamhi), disse que está em alerta, fazendo estudos e o acompanhamento do comportamento do clima na selva norte do Peru. "Neste ano tivemos fenômenos adversos muito pouco freqüentes afetando o rio Amazonas, que voltou a decair por causa do atraso das chuvas", explicou.


Segundo a climatologista, uma das situações que contribuiu para o atraso das chuvas foi a presença tardia dos furacões no Hemisfério Norte. "Quando os sistemas atmosféricos estavam chegando de forma normal a nosso hemisfério, apareceram os furacões, que moveram o sistema para os países do Norte, como a Colômbia e a Venezuela", explicou Ena Jaime. A esta situação pouco freqüente se somou o alto índice de desmatamento na Amazônia.


O pesquisador Fernando Rodrigues, do Instituto de Pesquisas da Amazônia Peruana (IIAP), com sede na região florestal de Loreto, no Norte do Peru, estimou em 10 milhões os hectares desmatados por migrações andinas, queimadas de terras, corte indiscriminado, tráfico de drogas e outros. A climatologista informou que os estudos de Senamhi estimam que as chuvas deverão chegar à selva Norte peruana até o fim deste mês, quando, então, a situação começará a se normalizar.



Águas sem vida

Especialistas revelam que efeitos da seca na Bacia Amazônica podem durar um ano inteiro

Claudia Bojunga , in Jornal do Brasil


A mais grave seca que assola a Bacia Amazônica em 4 décadas, afetando rios como o Solimões, já tem contornos de desastre ecológico.

- É uma das oito maiores vazantes dos últimos 100 anos - alerta ao JB José Alberto Lima de Carvalho, geógrafo da Universidade Federal do Amazonas.

Pior: seus estragos poderão ser sentidos por pelo menos um ano. A morte de milhares de peixes, vistos aos montes boiando no que resta das águas dos rios ou ressecados onde ela desapareceu, acaba também com a próxima geração.

- Cerca de 80% das espécies da região desovam só uma vez por ano, entre novembro e março - explica Geraldo Mendes, ictiólogo (especialista em peixes) do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa).

Para se ter uma idéia das conseqüências da mortandade, basta considerar que cada um desses peixes deposita em rios e lagos milhares de ovos, o que eleva muito o potencial da catástrofe.

- Temos um cenário preocupante em termos de impacto ambiental - lamenta o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia, Virgílio Viana.

A estiagem é parte do ciclo climático da região e acontece anualmente, entre julho e novembro. Normalmente, isso não é problema, pois as florestas tropicais são adaptadas para reter água e se manter. Mas este ano, a seca está pior.

- A região vive em função do nível dos rios, que oscila cerca de 8 metros naturalmente - explica Mendes. - Mas o impacto está sendo tão drástico que atropela a normalidade do ecossistema. A seca está além do que pode ser tolerado para muitas espécies.

Os efeitos do fenômeno chegam à base de toda a cadeia alimentar. Como é o caso do fitoplâncton, microorganismo que não vive sem água e está na base da cadeia alimentar.

As que mais sofrem são justamente as menores espécies que habitam os milhares de lagos da região, muitos já desaparecidos. A morte deles causa uma reação em cadeia, atingindo até os predadores do eixo principal do rio, como o surubim e o dourado. O desequilíbrio também chega aos mamíferos aquáticos - como a lontra, o peixe-boi e o boto.

- Os animais podem passar por um período de fome prolongado, por isso, tendo até o processo reprodutivo afetado - afirma Marcelo Gordo, ecólogo do Inpa.
No topo desse sistema, a escassez de pescado poderá trazer graves reflexos sociais. Afinal, a maior parte das populações ribeirinhas depende dos rios para se alimentar. Em grandes centros receptores, como Manaus e Belém, a indústria pesqueira sustenta inúmeras famílias.

A população que mora às margens de rios e lagos é a mais sacrificada, sofrendo com a fome e problemas sanitários graves decorrentes da seca. A decomposição dos peixes mortos torna a água estagnada imprópria para beber, cozinhar e até para banho.

- Sem a proteção da vegetação, os lagos e rios ficam mais suscetíveis à movimentação do vento, o que faz a lama do fundo subir, misturada com os peixes mortos. As pessoas têm ainda criações de animais. Tudo é muito anti-higiênico - diz o ictiólogo.

A vegetação marginal, muitas vezes, também não resiste e acaba destruída. Em várias fazendas da região, criações de milhares de cabeças de gado passam fome. Outro problema está no fato de animais atolarem na lama ao tentar beber água no rios.

Apesar das expectativas pouco animadoras, o geógrafo José Carvalho afirma que em breve os rios vão voltar a encher:

- As chuvas já começaram nas nascentes dos rios e em cerca de 15 dias a água deve descer do curso superior para o rio principal.

Especialistas consideram que um dos fatores determinantes para essa acentuada seca tenha sido o aquecimento global. A água mais quente no Oceano Atlântico - relacionada também com a formação de furacões de alta intensidade, como o Katrina, que atingiu o Golfo do México - teria alterado o padrão de ventos que levam a umidade necessária para a formação de nuvens e a precipitação na Amazônia.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva culpa a irresponsabilidade de grandes nações que não respeitam a ''mãe natureza''.

- Eu acho que o Protocolo de Kyoto tem que ser levado mais a sério. Os países poluidores do planeta precisam levar em conta que nós temos que tomar mais cuidado. Porque mexe, mexe, mexe e um dia a mãe natureza fica zangada e acontece o tanto de furacão que está acontecendo e o pantanal e a Amazônia tendo problema de seca, coisa em que eu jamais acreditei.

O presidente falou sobre o assunto na saída da 15ª Cúpula Ibero-Americana, encerrada ontem, em Salamanca, na Espanha.

  Autor:   Fernando De Carvalho - (EcoDebate) Fonte – Jornal do Brasil, Ciência, 16/10/2005


  Mais notícias da seção Fique sabendo que... no caderno Notícias
17/10/2005 - Fique sabendo que... - ENQUETE: Profissionais ligados ao meio ambiente se posicionam quanto à proibição do comércio legal de armas
No próximo domingo, 23 de outubro, os brasileiros irão às urnas, desta vez não para escolher aqueles que teoricamente representarão seus interesses nos poderes Executivo e Legislativo. Nesta data ocorre o primeiro referendo do país (leia a diferença entre referendo e plebiscito no final da matéria). Mais de 122 milhões de eleitores vão responder à ...
17/10/2005 - Fique sabendo que... -
Setembro foi o mês mais quente no planeta desde 1880
Setembro foi o mês mais quente já registrado no planeta desde 1880, ano em que as temperaturas começaram a ser coletadas cientificamente, anunciou nesta sexta-feira o Centro Nacional Oceânico e Atmosférico Americano (Noaa)....
17/10/2005 - Fique sabendo que... -
Cientistas identificam relação entre poluição e a incidência de infartos agudos
Mais um problema relacionado com a poluição atmosférica. Cientistas belgas identificaram uma relação entre a poluição e a incidência de infartos agudos do miocárdio. As doenças cardiovasculares, entre as quais o infarto, são uma das principais causas de morte em todo o mundo. ...
13/10/2005 - Fique sabendo que... - Uso de APPs precisa de regras e de política pública
"A discussão sobre o uso das Áreas de Preservação Permanente (APPs) está ligada não só à questão normativa, mas também a uma visão de política pública", disse na última sexta-feira (7) o secretário- executivo do Ministério do Meio Ambiente, Claudio Langone, durante debate público promovido pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), em Recif...
13/10/2005 - Fique sabendo que... - Mundo terá 50 milhões de refugiados ambientais em 2010, diz ONU
A ONU calcula que dentro de cinco anos 50 milhões de pessoas vão ser consideradas refugiadas devido a problemas ambientais nas regiões onde vivem....
13/10/2005 - Fique sabendo que... -
Katrina e seca na Amazônia: lições sobre o aquecimento global?
Os rios da Amazônia Ocidental (Amazonas, Acre e Rondônia) estão com os níveis mais baixos da história. O El Niño, que resulta do aquecimento das águas do oceano pacífico na altura da costa do Peru, sempre foi apontado como o culpado por estes fenômenos severos. Agora, contudo, o culpado pode ser outro: o aquecimento do oceano atlântico. Estudos sug...
03/10/2005 - Fique sabendo que... - Pesquisadores estrangeiros controlam projetos do Brasil na Amazônia
Um dado alarmante: apenas 10% dos cientistas que hoje trabalham na região amazônica são brasileiros. Para se ter uma idéia, nos primeiros meses de 2004, dos 452 projetos de pesquisas em andamento dentro da floresta, 90% estavam sob o controle de cientistas estrangeiros. ...
23/09/2005 - Fique sabendo que... - BRASIL GANHA MAIS UMA RESERVA DA BIOSFERA
A porção mineira da Serra do Espinhaço é a sexta Reserva da Biosfera brasileira admitida pelas Nações Unidas. O reconhecimento aconteceu no fim de junho deste ano, e a certificação acontece durante eventos realizados ontem e hoje em Belo Horizonte, Ouro Preto e Conceição do Mato Dentro. A serra foi reconhecida pelo programa O Homem e a Biosfera, da...
22/09/2005 - Fique sabendo que... - Por que importar pneus usados
Ao citar uma Lei de Murphy segundo a qual "se está ruim, pode ficar pior", as multinacionais fabricantes de pneus no Brasil parecem mais praticar o malfadado ensinamento de Goebbels, o ministro da propaganda de Hitler, de que "uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade". De fato, tanto pela boca do presidente de sua entidade de classe, a Anip,...
21/09/2005 - Fique sabendo que... - BNDES vai financiar parque eólico
O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou ontem um empréstimo de R$ 465 milhões para a construção de um parque eólico (que gera energia pela força do vento) em Osório, município do Rio Grande do Sul, que terá capacidade de geração de 150 megawatts (MW). Será o maior do gênero no país e segundo no mundo. Durante a co...
19/09/2005 - Fique sabendo que... - Diário Oficial publica lei que descentraliza gestão de recursos hídricos
(ANA, 14 de junho de 2004) A lei que regulamenta os contratos de gestão da ANA - Agência Nacional de Águas com as entidades que vão exercer a função de "Agências de Água" foi publicada nesta sexta-feira (11), no Diário Oficial da União. ...



Capa |  Boletim ECOLÓGICO Online  |  ECO dados  |  ECO Eventos  |  ECO Links  |  ECO Turismo  |  Editorial  |  Entrevista  |  Fórum Social Mundial  |  Notícias  |  Notícias da Região  |  Pró Fundação Sabor Natureza  |  Reportagens