| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Boletim ECOLÓGICO
Desde: 14/07/2004      Publicadas: 120      Atualização: 02/02/2010

Capa |  Boletim ECOLÓGICO Online  |  ECO dados  |  ECO Eventos  |  ECO Links  |  ECO Turismo  |  Editorial  |  Entrevista  |  Fórum Social Mundial  |  Notícias  |  Notícias da Região  |  Pró Fundação Sabor Natureza  |  Reportagens


 Notícias da Região

  05/10/2005
  0 comentário(s)


Termelétricas Jorge Lacerda devem passar por auditoria ambiental

A intenção do Ministério Público Federal (MPF) de Tubarão, ao ajuizar a ação civil pública, com o pedido da "auditoria ambiental" é uma completa revisão do Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) das usinas do complexo. O MPF afirma em sua denúncia que o complexo termelétrico estaria sendo ampliado sem qualquer vigilância ambiental e seu EIA/Rima estaria defasado e seria "extremamente precário".

Tubarão - O Complexo Termelétrico Jorge Lacerda, em Capivari de Baixo, no Sul do Estado, vai ter que passar por uma auditoria ambiental, que deverá estar concluída em 90 dias. A decisão de primeira instância, em ação civil pública patrocinada pelo Ministério Público Federal de Tubarão e proferida no final do mês passado, foi mantida pelo Tribunal Regional Federal (TRF) da 4ª Região, em recurso impetrado pela Tractebel Energia, multinacional proprietária do complexo de usinas movidas a carvão mineral produzido na região de Criciúma.


A juíza da Vara Federal de Tubarão, Gysele Segala da Cruz, decidiu em 29 de agosto, que era imprescindível a realização de uma perícia para esclarecer os fatos alegados pelo Ministério Público, ressaltando, no entanto, que o objetivo da prova pericial é verificar a necessidade ou não de realização da auditoria. Conforme a magistrada, as questões controvertidas do processo passam pela análise do EIA/Rima que atualmente sustenta o funcionamento da usina e se estão sendo cumpridas as políticas nele previstas.
A juíza federal entende que deve ser verificado pelos técnicos se o próprio estudo de impacto ambiental atende às necessidades legais e aborda aspectos relevantes, como quais são os poluentes emitidos, suas quantidades, seus efeitos sobre os seres humanos e quais as medidas técnicas usadas para monitorar e minimizar a poluição. "Tais questionamentos só podem ser dirimidos mediante o trabalho de auxiliares técnicos de cada área", concluiu Segala da Cruz.

A Tractebel Energia recorreu ao TRF em Porto Alegre, em segunda instância, contra a ordem da Justiça Federal de Tubarão. Para o desembargador federal Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, relator do recurso no tribunal, a determinação da juíza deve ser mantida, pois não existe dano irreparável que justifique a sua suspensão.

(publicado no Jornal A Notícia, Geral, p. A6, em 28.09.05)





Capa |  Boletim ECOLÓGICO Online  |  ECO dados  |  ECO Eventos  |  ECO Links  |  ECO Turismo  |  Editorial  |  Entrevista  |  Fórum Social Mundial  |  Notícias  |  Notícias da Região  |  Pró Fundação Sabor Natureza  |  Reportagens
Busca em

  
120 Notícias