| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Boletim ECOLÓGICO
Desde: 14/07/2004      Publicadas: 120      Atualização: 02/02/2010

Capa |  Boletim ECOLÓGICO Online  |  ECO dados  |  ECO Eventos  |  ECO Links  |  ECO Turismo  |  Editorial  |  Entrevista  |  Fórum Social Mundial  |  Notícias  |  Notícias da Região  |  Pró Fundação Sabor Natureza  |  Reportagens


 Entrevista

  25/05/2005
  0 comentário(s)


SECRETÁRIO NEGA FALTA DE DIÁLOGO E DIZ QUE FLORESTA SÓ SE CONSERVA SE FOR RENTÁVEL

<B>SECRETÁRIO NEGA FALTA DE DIÁLOGO E DIZ QUE FLORESTA SÓ SE CONSERVA SE FOR RENTÁVEL</B>Brasília - O secretário de Biodiversidade e Florestas do Ministério do Meio Ambiente, João Paulo Capobianco, afirma que o governo vem adotando as medidas necessárias para combater o desmatamento na Amazônia e escuta os especialistas nas discussões ambientais, ao contrário do que o geógrafo Aziz Ab’Saber (leia a entrevista na íntegra) declarou.  Em entrevista, à Agência Brasil, Capobianco reiterou a ênfase no Projeto de Lei de Gestão de Florestas Públicas para conter a devastação no norte do país.  "Só conseguiremos preservar a floresta se, em termos de emprego e geração de renda, ela for mais interessante de pé do que derrubada".

Agência Brasil: Com relação aos novos dados de desmatamento na região amazônica, o professor Aziz Ab’Saber afirma que o Ministério do Meio Ambiente "está totalmente enfraquecido" e não consegue efetuar as medidas necessárias.  O senhor concorda? 
João Paulo Capobianco: Os dados se referem a um período em que o novo sistema de monitoramento (o Deter) ainda não estava operacional.  Esse sistema, construído graças a um esforço muito grande do governo – não só do MMA –, acompanha em tempo real o desmatamento e começou a funcionar no início deste ano.  Até então, você verificava um ano depois.  Com base nesse sistema já realizamos, em 2005, um conjunto de operações de inteligência que resultou na apreensão de 75 mil metros cúbicos de madeira.  Isso em quatro meses, sendo que em 2002 (último ano do governo Fernando Henrique Cardoso) inteiro haviam sido apreendidos 40 mil metros cúbicos.  Nunca se fiscalizou tanto como agora.

Abr: Vocês já têm os dados referentes a desmatamento nos quatro primeiros meses de 2005?  É possível fazer uma previsão de desmatamento para o ano? 
Capobianco:Ainda estamos sistematizando esses dados.  O que podemos dizer é que a capacidade de desmatar foi intensificada.  Mato Grosso (estado que respondeu por 48,1% do desmatamento total na Amazônia de agosto de 2003 a agosto de 2004), por exemplo, iniciou o desmatamento em janeiro, época da chuva.  Normalmente, isso acontecia a partir de abril.

Abr: O professor Aziz Ab’Saber também criticou o projeto de Lei de Gestão de Florestas Públicas, uma das principais apostas do ministério contra o desmatamento.  Segundo ele, o projeto resultou de pressão de ONGs interessadas e deixa de promover um redirecionamento do uso dessas áreas – que, na opinião dele, deveriam priorizar a proteção da biodiversidade.  Além disso, ele disse, poderia se complicar a retomada dessas áreas no futuro, pela presença de entidades e empresas estrangeiras. 
Capobianco: É preciso dizer que o governo atual possui o recorde histórico de criação de reservas na Amazônia.  Foram 8,3 milhões de quilômetros quadrados, dos quais 60 % são áreas de proteção integral.  E o uso sustentável, previsto nos outros 40 % das áreas, também promove a proteção à biodiversidade.  É uma visão estreita essa (de que as duas coisas não são compatíveis).  A iniciativa do projeto não tem nada a ver com pressão de ONGs.  Elas não fazem manejo e não terão, portanto, nenhum benefício nesse sentido.  Nosso entendimento é o de que o desmatamento não será combatido com controle.  A Amazônia não será preservada só com polícia, mas também com medidas de macroeconomia.  Nosso objetivo para as florestas públicas é mantê-las públicas e como florestas.  Com relação a qualquer vínculo internacional, o que cabe esclarecer é que o manejo só será permitido a cooperativas nacionais e empresas regularmente constituídas no Brasil.

Abr: O professor também se queixa de que os especialistas não estariam sendo ouvidos nesse e em outros projetos. 
Capobianco Foram ouvidos vários especialistas, em dezenas de ocasiões.  A proposta passou por reuniões, seminários.  Foi aprovada pela Comissão Nacional de Florestas – na qual governo, academia, empresários, estados, municípios, ONGs e a própria Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC, da qual Ab’Saber é presidente de honra) estão representados.  Depois de encaminhada ao Congresso como projeto de lei, passou por audiências públicas.  A ministra Marina Silva e sua equipe té cnica receberam o professor Aziz em longa audiência.O que há é divergência de visão, de encaminhamento.  Não falta de diálogo.


Fonte: Radiobras



  Mais notícias da seção Entrevista no caderno Entrevista
12/09/2005 - Entrevista - O mundo no rumo certo
Coordenador na ONU no Brasil diz que o mundo está avançando da direção correta com relação às suas metas de desenvolvimento, embora insuficientemente....
05/09/2005 - Entrevista - Empresários que visam somente o lucro estão com os dias contados
Professor da UFRJ fala sobre desenvolimento sustentável e sobre como o mercado anda cada vez mais exigente ecologicamente...



Capa |  Boletim ECOLÓGICO Online  |  ECO dados  |  ECO Eventos  |  ECO Links  |  ECO Turismo  |  Editorial  |  Entrevista  |  Fórum Social Mundial  |  Notícias  |  Notícias da Região  |  Pró Fundação Sabor Natureza  |  Reportagens